Para Afonso Cruz, a música tem um papel secundário. Quer dizer, mais ou menos. Secundário no sentido em que não é a sua atividade principal, à semelhança do que acontece com os restantes The Soaked Lamb, embora esteja sempre presente. A música tem uma relação orgânica com os seus vários momentos do dia e ocupa uma função terapêutica. É ela que o faz mudar de humor. Para melhor, entenda-se. E também é ela que lhe proporciona momentos de bom relaxamento, seja em momentos mais solitários, como os da escrita de canções ou da composição, seja nos momentos em que a banda se junta, fazendo passar a ideia de que conseguem tocar todos ao mesmo tempo.

Em relação às suas outras atividades, o autor prefere separar as águas. É raro tocar nos seus lançamentos e só o faz em contextos literários se houver um contexto, como aconteceu na feira do livro de Bogotá de 2015. Na qualidade de ouvinte, Afonso Cruz também sabe rodear-se das melhores companhias. Do Blues ao Roots, passando pelo Klezmer, pela música italiana e francesa, pela música cigana da Europa de leste, o autor faz por buscar a diversidade. À semelhança do que acontece com o seu universo criativo.

The Soaked Lamb

The Soaked Lamb - Slowly Movin'
The Soaked Lamb - Hello, Bang Bang, Goodbye / Hats & Chairs
The Soaked Lamb – Palhaços
The Soaked Lamb "Almost a Song" Feat. Tó Trips & Pedro Gonçalves
The Soaked Lamb - A Coffin for Two